sentimento do mundo

[ Segunda-feira, Setembro 20, 2004 ]

 

Malandragem/ Cazuza

"Quem sabe eu ainda sou uma garotinha
Esperando o ônibus da escola sozinha,
Cansada com minhas meias três quartos,
Rezando baixo pelos cantos
Por ser uma menina má.
Quem sabe o príncipe virou um chato
Que vive dando no meu saco,
Quem sabe a vida é não sonhar.

Eu só peço a Deus
Um pouco de malandragem,
Pois sou criança
E não conheço a verdade,
Eu sou poeta e não aprendi a amar,
Eu sou poeta e não aprendi a amar.

Bobeira é não viver a realidade
E eu ainda tenho uma tarde inteira,
E eu ando nas ruas,
Eu troco cheque,
Mudo uma planta de lugar,
Dirijo meu carro,
Tomo o meu pileque
E ainda tenho tempo pra cantar,
Pra cantar.

Eu só peço a Deus
Um pouco de malandragem,
Pois sou criança
E não conheço a verdade,
Eu sou poeta e não aprendi a amar,
Eu sou poeta e não aprendi a amar.

Eu ando nas ruas,
Eu troco cheque,
Mudo uma planta de lugar,
Dirijo meu carro,
Tomo o meu pileque
E ainda tenho tempo pra cantar,
Pra cantar.

Eu só peço a Deus
Um pouco de malandragem,
Pois sou criança
E não conheço a verdade,
Eu sou poeta e não aprendi a amar,
Eu sou poeta e não aprendi a amar.

Quem sabe eu ainda sou uma garotinha..."


Degas
Luluzinha [9:35 PM]

Comments:

[ Quinta-feira, Setembro 16, 2004 ]

 

Tarsila do Amaral

Se eu te dissesse/ Castro Alves

"Se eu te dissesse que cindindo os mares,
Triste, pendido sobre a vítrea vaga,
Eu desfolhava de teu nome as pétalas
Ao salso vento, que as marés afaga...
Se eu te dissesse que por ermos cimos,
Por ínvios trilhos de uni país distante,
Teu casto riso, teu olhar celeste
Ungia o lábio ao viajor errante;
Se eu te dissesse que do alvergue à ermida,
Do monte ao vale, da chapada à selva,
Junta comigo vagueou tua alma;
Junta comigo pernoitou na relva;
Se eu te dissesse que ao relento frio
Dei minha fronte à viração gemente,
E olhando o rumo de teu lar - saudoso,
Molhei as trevas de meu pranto algente;
Se eu te dissesse, bela flor das saias!
Que eu dei teu nome dos sertões às flores!...
E ousei, na trova em que os pastores gemem,
Por ti, senhora, improvisar de amores;
Se eu te dissesse que tu foste a concha
Que o peregrino traz da Terra Santa,
Mago amuleto que no seio mora,
Doce relíquia... talismã que encanta!... ;
Se eu te dissesse que tu foste a rosa
Que ornava a gorra ao menestrel divino;
Cruz que o Templário conchegava ao peito
Quando nas naves reboava o hino;
Se eu te dissse que tu és, criança!
O anjo-da-guarda que me orvalha as preces...;
Se eu te disserte... - Foi talvez mentira! -
Se eu te dissesse... Tu talvez dissesses... "

Luluzinha [9:50 PM]

Comments:

 
Hoje foi um dia parado...
Fiquei em casa o dia todo, tomando conta da minha mãe, ela adoeceu. Foi até bom, pq tenho saído bastante.
To terminando o livro " Para uma menina com uma flor" e cada crônica que leio tenho vontade de postar. Mas isso aqui viraria um e-book e não é essa minha intenção, mas realmente aconselho, poxa, quem conhece o Vinícius poeta, precisa conhecer o cronista. Sabe, ele falando sobre quando ele começou a escrever, sobre quando ele e Rubem Braga eram jovens. A vida parecia muito mais romântica na época dele. Acho gostoso também ficar folheando as páginas da "Casa e Jardim", tenho mil idéias para arrumar meu quarto, a sala, a casa da minha irmã. Será que devia ter feito design? Ai, uma vida é muito pouco pra tantas idéias...
Muitos beijos. Luisa.
Luluzinha [9:44 PM]

Comments:

 
Grand' Hotel/ Kid Abelha

"Se a gente näo tivesse feito tanta coisa
Se näo tivesse dito tanta coisa
Se näo tivesse inventado tanto
Podia ter vivido um amor grand' hotel

Se a gente näo fizesse tudo täo depressa
Se näo dissesse tudo täo depressa
Se näo tivesse exagerado a dose
Podia ter vivido um grande amor

Um dia um caminhäo atropelou a paixão
Sem teus carinhos e tua atençäo
O nosso amor se transformou em "bom dia"

Qual o segredo da felicidade
Será preciso ficar só pra se viver
Qual o sentido da realidade
Será preciso ficar só pra se viver

Só pra se viver
Ficar só
Só pra se viver"

Luluzinha [9:38 PM]

Comments:

[ Segunda-feira, Setembro 13, 2004 ]

 


Why not smile/ REM

"The concrete broke your fall
To hear you speak of it
I'd have done anything,
I would do anything.
I feel like a cartoon brick wall,
to hear you speak of it.

You've been so sad, it makes me worry.
Why not smile?
You've been sad for a while.
Why not smile?

I would do anything,
to hear you speak of it.
Why not smile?

You've been sad for a while.
You've been sad for a while."

Luluzinha [9:24 PM]

Comments:

 
Gente, cheguei ontem de Pirenópolis! Foi tão legal passar o fim de semana lá. Fui com amigos meus, pra casa da Juju e deu pra aproveitar bastante. Teve cachoeira, show dos Los Hermanos, visita à Igreja Matriz, 2 bolas de sorvete por 1 real, cachorro-quente pra muita gente, show do Alceu Valença, violão, pizza quadrada, amigos que não via há muito tempo, quarteto de flauta tocando "carinhoso", entre outras coisas...
Adorei, quero ir à Pirenópolis de novo!!!
Bom, estou de volta, as aulas começam dia 27 e só entro de férias dia 29/01, mas tudo bem, acho que aproveitei bem a greve!!!
Muitos beijos!!
Luluzinha [9:18 PM]

Comments:

[ Domingo, Setembro 05, 2004 ]

 

Wish You Were Here / Pink Floyd

"So, so you think you
Can tell
Heaven from hell
Blue skies from pain
Can you tell
a green field
From a cold steel rail
a smile from a veil
Do you think you can tell?
And did they get you to trade
Your heroes for ghosts
hot ashes for trees
Hot air for a cool breeze
cold comfort for change
And did you exchange
A walk on part in the war
For a lead role in a cage?

How I wish
how I wish you were here
We're just two lost souls
swimming in a fish bowl
Year after year
Running over the same old ground
What have we found?
The same old fears
Wish you were here."

Luluzinha [2:00 AM]

Comments:

[ Sexta-feira, Setembro 03, 2004 ]

 
Medo De Amar Nº 3/ Adriana Calcanhotto

"Você diz que eu te assusto
Você diz que eu te desvio
Também diz que eu sou um bruto
E me chama de vadio

Você diz que eu te desprezo
Que eu me comporto muito mal
Também diz que eu nunca rezo
Ainda me chama de animal

Você não tem medo de mim
Você não tem medo de mim
Você tem medo, é do amor
Que você guarda para mim
Você não tem medo de mim
Você não tem medo de mim
Você tem medo, é de você
Você tem medo, é de querer

Você diz que eu sou demente
Que eu não tenho salvação
Você diz que eu, simplesmente,
Sou carente de razão

Você diz que eu te envergonho
Também diz que eu sou cruel
Que no teatro do teu sonho
Para mim não tem papel

Você não tem medo de mim...

Você não tem medo de mim
Você não tem medo de mim
Você tem medo, é de você
Você tem medo, é de querer

Me amar"

Luluzinha [3:12 AM]

Comments:

[ Quinta-feira, Setembro 02, 2004 ]

 

Malvados - quadrinhos de humor - profissões
Luluzinha [4:33 AM]

Comments:

 

Vinícius de Moraes


PARA UMA MENINA COM UMA FLOR

"Porque você é uma menina com uma flor e tem uma voz que não sai, eu lhe prometo amor eterno, salvo se você bater pino, que aliás você não vai nunca porque que você acorda tarde e gosta de brigadeiro: quero dizer o doce feito com leite condensado.

E porque você é uma menina com uma flor e chorou na estação de Roma porque nossas malas seguiram sozinhas para Paris no meio de todas aquelas malas estrangeiras. E porque quando você sonha que eu estou passando você p/ trás, transfere a sua ddc para o meu cotidiano e implica comigo o dia inteiro como se eu tivesse culpa de ser assim tão subliminar. E porque quando você começou a gostar de mim procurava saber por todos os modos com que camisa esporte eu ia sair para fazer mimetismo de amor, se vestindo parecido. E porque você tem um rosto que está sempre num nicho, mesmo quando põe o cabelo p/ cima, como uma santa moderna e anda lento e fala em 33 rotações mas sem ficar chata. E porque você é uma menina com uma flor eu lhe predigo muitos anos de felicidade, pelo menos até eu ficar velho: mas só quando eu der aquela paradinha marota para olhar para trás, aí você pode se mandar, eu compreendo.

E porque você é uma menina com uma flor e tem um andar de pagem medieval; e porque você quando canta nem um mosquito ouve a sua voz; e você desafina lindo e logo conserta, e às vezes acorda no meio da noite e fica cantando feito uma maluca. E porque você tem um ursinho chamado Nounouse e fala mal de mim pra ele, e ele escuta mas não concorda porque é muito meu chapa, e quando você se sente sozinha e perdida no mundo você se deita agarrada com ele e chora feito uma boba fazendo um bico deste tamanho. E porque você é uma menina que não pisca nunca e seu lhos foram feitos na primeira noite da Criação, e você é capaz de ficar me olhando horas. E pôr que você é uma menina que tem medo de ver a Cara-na-vidraça, e quando eu olho você muito tempo você vai ficando nervosa até eu dizer que eu estou brincando. E porque você é uma menina com uma flor e adora purê de batata, eu lhe peço que me sagre seu Constante e Fiel Cavalheiro.

E sendo você uma menina com uma flor, eu lhe peço também que nunca me deixe sozinho, como nesse último mês em Paris; fica tudo uma rua silenciosa e escura que não vai dar em lugar nenhum; os móveis ficam parados me olhando com pena; é um vazio tão grande que as outras mulheres nem ousam me amar porque dariam tudo para ter um poeta penando assim pôr ela, a mão no queixo, a perna cruzada triste, e aquele olhar que não vê. E porque você é a única menina com uma flor que eu conheço, eu escrevi uma canção tão bonita p/ você, " Minha namorada", a fim de que, quando eu morrer, se por acaso você não morrer também, fique deitadinha abraçada com Nounouse, cantando aquele pedaço em que digo que você "tem de ser a estrela derradeira, minha amiga e companheira, no infinito de nós dois."

E já que você é uma menina com uma flor e eu estou vendo você subir agora - tão purinha entre as marias-sem-vergonhas - a ladeira que traz ao nosso chalé, aqui nessas montanhas recortadas pela mão presciente de Guinard; e o meu coração põe-se a bater cada vez mais depressa. E porque eu me levanto para recolher você no meu abraço, e o mato à nossa volta se faz murmuroso e se enche de vaga-lumes enquanto a noite desce com seus segredos, suas mortes, seus espantos - eu sei, ah eu sei que o meu amor por você é feito de todos os amores que já tive, e você é filha dileta de todas as mulheres que eu amei; e que todas as mulheres que eu amei, como tristes estátuas ao longo da aléia de um jardim noturno, foram passando você de mão em mão, de mão em mão até mim, cuspindo no seu rosto e enfeitando a sua fronte de grinalda; foram passando você até mim entre cantos, súplicas e vociferações - porque você é linda, porque você é meiga e sobre tudo porque você é uma menina com uma flor. "




Luluzinha [4:13 AM]

Comments: